PORTUGUÊS | ENGLISH

A História da Cachaça confunde-se com a história do próprio país. 70 anos após o descobrimento, com o surgimento dos primeiros engenhos, inicia-se o Ciclo da Cana, que ganhou importância com a exportação do açúcar, chamado então 'ouro branco' pelos comerciantes portugueses. E, com a cana, surgiu a Cachaça que vai aos poucos aprimorando sua qualidade e substituindo a 'aguardente do Reino' destilada a partir do bagaço da uva. Apreciada pelos colonizadores por suas propriedades terapêuticas e pelos africanos escravizados como meio de comunicação com seus deuses, a produção de cachaça se expande por todo o Brasil colonial chegando, no Rio de Janeiro, a superar a produção do açúcar no sec. XVIII.

Apesar de ser feita da mesma matéria prima, a cana de açúcar, a cachaça é diferente do rum: cachaça é feita com o caldo fresco da cana, enquanto o rum é feito do melaço, um sub-produto da produção do açúcar.

O Rio de Janeiro foi a capital da Colônia a partir de 1763, do Império Português entre os anos de 1808 a 1822 e depois a capital do Brasil até 1960, concentrando a demanda pelos melhores produtos do país. Já foi grande produtor de cachaça de qualidade, tanto nas montanhas na região do vale do café, quanto em Parati, porto de exportação da época colonial.

Em 1985 lancei-me na aventura de resgatar esta tradição e produzir uma cachaça de qualidade nas montanhas do Rio de Janeiro, no Município de Vassouras. Convencido do imenso potencial da cachaça, empenhei-me junto com outros produtores e orgãos do setor, pelo seu reconhecimento, valorização e qualificação trabalhando na criação do Programa Brasileiro da Cachaça - PBDAC em 1997, que deu origem em 2006 ao Instituto Brasileiro da Cachaça – IBRAC. No mesmo ano o Ministério da Agricultura criou a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Cachaça, da qual tive a honra de ser nomeado como primeiro Presidente.

Hoje sinto orgulho pelo reconhecimento que a Magnífica vem recebendo, acumulando vários prêmios, sendo o maior destaque a classificação da Magnífica Reserva Soleira em 2° lugar na Cúpula da Cachaça de 2014, entre mais de 1000 cachaças, confirmando o alto padrão de qualidade dos nossos produtos.

Na época de registro da marca, minha esposa era a Magnífica Reitora de uma universidade carioca. Daí a origem do nome escolhido para nossa cachaça.

Um momento importante da nossa história, foi quando em 2003 formamos uma parceria com a então pequena cadeia de restaurantes inglesa 'Las Iguanas'. Junto com eles, temos criado nos consumidores a cultura e o prazer de se degustar as melhores caipirinhas. Depois dos ingleses, o interesse pela Magnífica surgiu em vários outros países e hoje vendemos mais no mercado externo, que no Brasil!